Mário Gomes relembra história polêmica com cenoura: Tentaram me matar

Mário Gomes relembra história polêmica com cenoura: Tentaram me matar

Mário Gomes abriu o verbo sobre alguns episódios (polêmicos) do passado. Em entrevista ao “Programa Raul Gil”, que vai ao ar no SBT neste sábado (03/06), o ator responsabilizou o diretor Daniel Filho pelo seu afastamento do universo artístico. De acordo com o carioca de 64 anos — que hoje vende sanduíches na praia da Joatinga, no Rio, como revelado pelo EXTRA —, boatos foram criados para destruir sua masculinidade a partir de 1976, quando ele assumiu um affair com Betty Faria, então casada com Daniel Filho. Uma das histórias dava conta de que o ator teria sido internado num hospital com uma cenoura no ânus.

— Escapei da morte porque tentaram, com uma cenoura, me matar. O objetivo era me colocar contra a opinião pública. Quando eu li, achei engraçado. Poxa! Um cara entalado com uma cenoura? Realmente é uma coisa inusitada — contou ele, durante gravação da sabatina feita por Val Marchiori, Thammy Miranda, Ciça Camargo e Lola Melnick: — A perseguição foi implacável, insana e indigna. O que mais me prejudicou foi a perseguição profissional dentro da empresa, o aliciamento dos meus amigos. Por exemplo, o Guel Arraes, que era meu amigo, passou a ser diretor do Salieri.

Salieri é o único jeito a que Gomes se refere a Daniel Filho, numa comparação com o compositor italiano Antonio Salieri, suposto inimigo do gênio austríaco Mozart. Ainda sobre o universo da TV, o ex-ator afirmou que o melhor papel que já ganhou foi em “A favorita” (2008), quando deu vida ao ambicioso Gurgel.

— Foi o melhor personagem que eu tive. Fiz testes com oito atores, inclusive com o Alexandre Nero. Nunca o tinha visto na minha vida, e ele me olhava com uma cara estranha — recorda, sem descartar um retorno à TV: — Estou muito melhor agora, com a corda toda. Infelizmente, não me aproveitaram.

Na mesma gravação, Gomes admite que já teve compulsão por sexo — e que perdeu a virgindade aos 11 anos.

— O sexo era uma coisa compulsiva. Eu estava sempre em busca da mulher ideal. Uma época eu andava com três mulheres. Acontecia de levar as três para casa — disse, confessando traições amorosas: — Nunca tive problema de ereção, nunca broxei. Tomei a pílula azul só para experimentar.

02/06/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *